Uma despedida e um convite: as mudanças no MotorChase

A maioria dos leitores frequentes do MotorChase deve ter sentido falta dos artigos diários nestes últimos dias. Mas eu tenho uma boa explicação para isso: como um exército de um homem só, este site também sentiu a minha falta. E eu estava realmente ocupado cuidando de outro projeto que começou há meses. O MotorChase terá que continuar sem mim.

Tudo começou um pouco depois de eu começar o MotorChase. Pensei que o público naturalmente cresceria, sem a necessidade de outros investimentos que não o tempo que levei para criar o logotipo, para filmar os vídeos e escrever os artigos. Mas as coisas são muito mais complicadas do que isso. E logo percebi que eu teria que investir dinheiro para tornar o MotorChase conhecido por mais pessoas. O problema é que as contas continuavam chegando e minha principal fonte de renda, como freelancer, sofreu um grande revés com a recessão brasileira. Muito pouca gente tinha dinheiro para pedir artigos. Muito menos do que normalmente. Muitos títulos foram ameaçados de desaparecer. Em suma, as coisas eram feias como o diabo. Eu mal tinha dinheiro para pagar minhas despesas. O MotorChase teria de crescer por seus próprios meios. E fez isso, mas não o suficiente para se tornar uma fonte de receita.

Ao mesmo tempo, notei que o Motor1.com estava se expandindo agressivamente. Comprou o World Car Fans, um site em que tive a honra de trabalhar por volta de 2008. Tinha entrado havia pouco tempo na Turquia, França e Canadá. Então eu arrisquei para ver se eles gostariam de vir também para o Brasil e mandei uma mensagem aos caras em 27 de junho. Minha ideia era ajudá-los a se estabelecer aqui desde o início, com a contratação de uma equipe e a construção de um Motor1.com brasileiro do chão, mas eles tinham outros planos. Eles queriam ter um parceiro forte, com muita audiência e pediram minha ajuda para encontrar um. Sugeri alguns sites e eles gostaram do Carplace desde o início. Quando entrei em contato com meus amigos no Carplace, eles também gostaram da ideia de se tornarem a filial brasileira do Motor1.com. E eu pensei que meu papel tinha chegado ao fim, mas ambos os lados tinham outros planos para mim, felizmente. Eles queriam me envolver, mas havia uma condição natural: tive de me tornar um membro oficial de Motor1.com. E apenas um membro do Motor1.com.

Isso aconteceu oficialmente ontem, em 8 de novembro, quando o Salão Automóvel de São Paulo abriu as suas portas. Eu estava lá para cobrir o evento pelo Motor1.com, não pelo MotorChase. E vou fazer isso enquanto puder contribuir para esse grande projeto.

E o MotorChase, você pode perguntar? Bem, eu não quero que ele acabe. Eu quero que ele continue a crescer, mesmo que em um ritmo mais lento. Então terei que colocar alguém para tomar conta dele. Esse alguém será Antonio Rodrigues, um grande amigo meu. Espero que todos vocês apoiem esta nova etapa da história do MotorChase. Obrigado pela audiência e nos vemos no Motor1.com.

Gustavo Henrique Ruffo

Sou jornalista automotivo desde 1998 e trabalhei para alguns dos meios, especializados ou não, mais importantes do Brasil, como Folha de S.Paulo, Jornal do Carro, a finada Oficina Mecânica, Gazeta Mercantil, WebMotors, FlatOut, Car and Driver e Quatro Rodas. Também escrevi para meios estrangeiros, como o site World Car Fans, e ganhei alguns prêmios de jornalismo, da SAE e da AEA. Também sou autor do livro "O Colesterol do Trânsito", sobre maus motoristas, que pode ser comprado como ebook no Hotmart, na Amazon e como cópia física no Clube de Autores.