Segunda geração do Chevrolet Cruze deve chegar ao Brasil em abril

Na indústria, dizem que é preciso começar a produção de um determinado modelo dois meses antes de seu lançamento. Se pudermos confiar no que disse o sindicalista Marcelo Barros, do Smata (Sindicato de Mecánicos y Afines del Transporte Automotor), a segunda geração do Chevrolet Cruze começará a sair da fábrica de Rosario, na Argentina, no começo de fevereiro. Até que ela tenha feito o estoque necessário para começar a abastecer os concessionários, conte os dois meses que mencionamos e chegaremos à apresentação oficial do carro em abril do ano que vem. No mais tardar em maio. Em outras palavras, se você gosta do Cruze atual, tem aí cerca de quatro meses para comprar o seu ainda como zero km, o que será um mau negócio daqueles se você não pedir um senhor desconto. Seu Cruze vai sair de linha rapidinho. E até o motor será diferente.

A nova geração do Cruze é parte do chamado Projeto Fênix, que investiu na planta de Rosario US$ 750 milhões. Não apenas pelas versões hatch e sedã do modelo do segmento C, mas também pelos novos motores e por um outro produto a ser construído sobre a plataforma D2XX, um SUV do mesmo porte, possivelmente o sucessor do Captiva Sport. Sobre a mesma plataforma também é fabricada a segunda geração do Chevrolet Volt. Com os incentivos para modelos elétricos, até ele pode se tornar interessante como produto local para a América do Sul.

A fabricação só se iniciará em fevereiro, segundo Barros, porque a planta ficará em recesso até lá. Não fosse isso, e a crise do maior mercado que o carro terá, ele já poderia estar em produção.

Com 2,70 m de entre-eixos, o novo Cruze já foi apresentado na China e nos EUA. É a versão deste último que será fabricada na Argentina, como se pode ver bem neste flagra em vídeo feito pelo Autoblog.com.ar lá em Rosario.

Apesar de ser maior do que o Cruze atual, com 4,67 m de comprimento, o de segunda geração será até 113 kg mais leve. A proeza vem do uso de aços de alta resistência, que também permitem uma carroceria mais resistente em casos de batida e de torções. O novo Cruze também tem 1,80 m de largura e 1,46 m de altura, com um coeficiente aerodinâmico de apenas 0,29, o mesmo que o antigo Vectra exibia.

Chevrolet-Cruze-D2XX-3

Os motores serão turbinados, como os do futuro Honda Civic, mas há dúvidas sobre o tamanho do motor. Alguns meios falam em um motor 1.4 turbo, já usado pela GM na Europa e nos EUA, mas achamos que ele correria o mesmíssimo risco dos modelos Fiat com um motor turbo de cilindrada parecida (falta de torque em baixas rotações e turbo lag). O Autoblog.com.ar, por outro lado, fala em um 1.5 de até 118 kW (160 cv). Essa nos parece uma opção muito mais atraente. Os 1.6 THP se viram muito bem com sedãs médios, como o Citroën C4 Lounge e o Peugeot 408 não se cansam de mostrar. Ainda mais agora, que são flex.

2016 poderá ser um ano de poucas novidades na economia, mas o segmento de sedãs do segmento C vai ferver.

Fonte: Autoblog.com.ar

Gustavo Henrique Ruffo

I have been an automotive journalist since 1998 and have worked for many important Brazilian newspapers and magazines, such as the local edition of Car and Driver and Quatro Rodas, Brazilian's biggest car magazine. I have also worked for foreign websites, such as World Car Fans and won a few journalism prizes, among them three SAE Journalism Awards and the 2017 IAM RoadSmart Safety Award. I am the author of "The Traffic Cholesterol", a book about bad drivers that you can buy at Hotmart, Google Play, Amazon and Kobo.