McLaren F1 quase novo é colocado à venda. Com uma etiqueta de £ 9,5 milhões

Sempre que falamos sobre o McLaren F1 aqui no MotorChase, dizemos que ele é como uma joia automotiva. Tudo porque ele é realmente uma incrível obra de engenharia, mas não só. Prova disso é o carro com chassi de número 69, um carro que só percorreu 2.800 milhas, ou 4.500 km. Ele foi um dos últimos a ser construído, e estamos falando de apenas 64 unidades de rua em um total de 106 (7 protótipos, 28 carros de corrida, 2 versões longtail e 5 versões tunadas). De acordo com a revista britânica Autocar, ele custa £ 9,5 milhões, ou cerca de US$ 13,9 milhões. Permita-nos explicar por que isso faz todo o sentido.

McLaren_F1_2

McLaren_F1_5 McLaren_F1_3 McLaren_F1_7 McLaren_F1_4

O McLaren F1 foi concebido por Gordon Murray. O desenho final é trabalho de Peter Stevens e o primeiro deles foi apresentado ao mundo em 28 de maio de 1992, no The Sporting Clube, em Mônaco. Ele tem 4,29 m de comprimento, 1,82 m de largura, 1,14 m de altura e uma distância entre eixos de 2,72 m.

McLaren_F1_19

O F1 é impulsionado por um motor V12 6.1 construído pela BMW e capaz de entregar 468 kW (636 cv) a 7.400 rpm e 651 Nm a 5.600 rpm. Pode não parecer uma potência surpreendente, segundo os padrões atuais de hipercarros, mas o F1 era incrivelmente leve: 1.138 kg. Isso lhe deu uma incrível relação peso-potência. Colocado em perspectiva, este deve ser um dos maiores arrependimentos da Honda, uma vez que Murray tentou obter o motor do F1 da empresa japonesa, mas ela não quis fornecê-lo. A transmissão é manual de 6 marchas, fornecida pela Weismann.

McLaren_F1_18

O que você vê nesta imagem acima não é só dourado. É ouro de verdade, usado no cofre do motor do F1 a fim de proporcionar um refletor de calor eficiente e leve. Isso era uma exigência da construção do carro. Feita quase inteiramente de fibra de carbono, era necessário ter a melhor proteção possível para este material nobre. Cada McLaren F1 tem 16 g de ouro. Se o pré-requisito das joias é conter ouro, o F1 não deixa dúvidas quanto a merecer essa classificação.

McLaren_F1_17

O F1 tem um arranjo de bancos muito peculiar: um central, para o motorista, com 2 lugares de passageiros, um em cada lado do condutor. De acordo com aqueles que já tiveram a oportunidade de dirigir um McLaren F1, isso permite uma experiência fantástica ao volante. O carro foi vendido com rodas de 17 polegadas e pneus 235/45 ZR17 no eixo da frente e 315/45 ZR17 no eixo traseiro.

McLaren_F1_10

McLaren_F1_16 McLaren_F1_15 McLaren_F1_14 McLaren_F1_13

Se nenhum dessas especificações o impressionou, tenha em mente que este carro pode atingir uma velocidade máxima de 372 km/h. Se o limitador de giro do motor, a 7.500 rpm, estiver acionado. Com ele desligado, o F1 alcançou uma velocidade máxima de 390,7 km/h em 31 de março de 1998. Este foi o recorde mundial de velocidade para carros de produção por 7 anos seguidos, até o Bugatti Veyron batê-lo em 2005.

McLaren_F1_20

O carro que foi posto à venda virá com malas feitas sob medida para caber nos três porta-malas do carro, um kit de ferramentas leves de titânio da Facom, um relógio de edição limitada só para donos do McLaren F1 e, acima de tudo, a edição LM corretamente numerada do livro “Driving Ambition”, que conta toda a história do McLaren F1. Para os padrões dos livros, este custa uma fortuna no site Amazon.

O F1 número 69 está nas mãos da McLaren Special Operations Heritage. Ela não cuida só da manutenção dos carros que ainda estão por aí, mas funciona também como uma corretora, encontrando novos donos para estes preciosos carros que a empresa criou. Se você tiver o dinheiro, não pense duas vezes: compre-o. De acordo com a McLaren, muito poucos F1 estão em tão boas condições.

Gustavo Henrique Ruffo

I have been an automotive journalist since 1998 and have worked for many important Brazilian newspapers and magazines, such as the local edition of Car and Driver and Quatro Rodas, Brazilian's biggest car magazine. I have also worked for foreign websites, such as World Car Fans and won a few journalism prizes, among them three SAE Journalism Awards and the 2017 IAM RoadSmart Safety Award. I am the author of "The Traffic Cholesterol", a book about bad drivers that you can buy at Hotmart, Google Play, Amazon and Kobo.