Nissan afirma que e-Bio Fuel Cell é o primeiro veículo com SOFC (pilha de combustível de óxido sólido)

Quando a Nissan anunciou sua nova tecnologia SOFC (Solid-Oxide Fuel Cell, ou pilha de combustível de óxido sólido), antecipamos: o Brasil seria o lugar ideal para testes. Pela simples razão de já ter uma rede de distribuição de etanol como combustível. Bingo. A Nissan anunciou hoje que o e-Bio Fuel Cell já está em testes em estradas brasileiras. E que ele é o primeiro veículo a usar tal tecnologia.

O protótipo é baseado na van e-NV200. Ela tem 4,73 m de comprimento, 1,73 m de largura, 1,87 m de altura e uma distância entre eixos de 2,93 m. A van elétrica usa uma bateria de 24 kWh, assim como o Leaf, e oferece uma autonomia de 170 km.

Nissan_e_Bio_Fuel_Cell_Prototype_Vehicle_9

A Nissan, aparentemente, apenas adicionou a SOFC na parte de trás da van, bem como o reformador para transformar em hidrogênio o etanol que couber no tanque de combustível de 30 l. Só isso já permitiu que a autonomia da van fosse de 170 km para mais de 600 km, de acordo com a montadora.

O que nos diz o e-Bio Fuel Cell

Nissan_e_Bio_Fuel_Cell_Prototype_Vehicle_8

Estávamos esperando que a Nissan apresentasse um veículo totalmente novo, projetado especificamente para a tecnologia, mas o fato de ela equipar um carro existente, que está atualmente à venda, nos diz 2 coisas. Primeiro, e mais importante, que a montadora japonesa não vê a SOFC como um meio para impulsionar o veículo por si só, mas como um sistema complementar de geração de energia. Em vez de um motor pequeno a combustão interna trabalhando como um gerador, a e-NV200 tem uma pilha de combustível.

Toyota-Mirai-cutaway_1

A imagem acima mostra um raio-X do Toyota Mirai. Como você pode ver, o Mirai também tem uma bateria, mas é ela que é complementar à pilha de combustível. E a bateria serve só para armazenar a energia gerada pela frenagem regenerativa. O Riversimple Rasa usa supercapacitores para a mesma tarefa, o que faz muito mais sentido, considerando as características destes componentes. Só que a Toyota já investiu muito até agora em baterias de níquel hidreto metálico, as mesmas usadas em híbridos. A escolha da Nissan de ter um BEV (Battery Electric Vehicle, ou veículos elétricos a bateria) com um extensor de autonomia de SOFC vai na mesma direção e pelas mesmas razões. Em outras palavras, a segunda coisa que aprendemos com o protótipo e-Bio Fuel Cell é que a Nissan vai continuar a apostar em elétricos. E pode incorporar a SOFC neles antes do que poderíamos supor.

Nissan revela o veículo de célula de combustível de óxido sólido primeiro mundo s

Nissan revela o veículo de célula de combustível de óxido sólido primeiro mundo s Nissan revela o primeiro veículo de célula de combustível de óxido sólido worldÕs Nissan revela o veículo de célula de combustível de óxido sólido primeiro mundo s Nissan revela o veículo de célula de combustível de óxido sólido primeiro mundo s

A Nissan infelizmente revelou muito pouco sobre a tecnologia SOFC além de dizer que ela é capaz de entregar 5 kW. Uma pista que veio com o vídeo acima, de que a AVL teria ajudado a fabricante japonesa no desenvolvimento das pilhas a combustível, não nos ajudou a ir muito mais longe. Elas serão mais baratas do que as pilha de combustível usadas pelo Mirai? Elas serão incorporados em futuros carros eléctricos da Nissan, tais como a Leaf de segunda geração? Os testes em estradas brasileiras irão fornecer respostas. Assim como o uso do etanol brasileiro, extraído da cana de açúcar e também de biomassa, chamado de etanol de segunda geração. Mas teremos de esperar por elas. Deus (e Ghosn) sabe quanto tempo vai demorar.

Gustavo Henrique Ruffo

I have been an automotive journalist since 1998 and have worked for many important Brazilian newspapers and magazines, such as the local edition of Car and Driver and Quatro Rodas, Brazilian's biggest car magazine. I have also worked for foreign websites, such as World Car Fans and won a few journalism prizes, among them three SAE Journalism Awards and the 2017 IAM RoadSmart Safety Award. I am the author of "The Traffic Cholesterol", a book about bad drivers that you can buy at Hotmart, Google Play, Amazon and Kobo.