Este é o Toyota Prius Prime, a versão plug-in mais recente do pioneiro híbrido

A nova versão plug-in do Toyota Prius não é apenas muito econômica no consumo de combustível. É também muito mais bonita que seu irmão comum, como já dissemos aos nossos leitores. O novo Toyota Prius Prime promete fazer o híbrido vender em números ainda maiores do que antes, especialmente se for oferecido a um preço razoável nos EUA.

O novo Prius Prime tem 4,52 m de comprimento, 1,76 m de largura, 1,47 m de altura e uma distância entre eixos de 2,70 m. Não há nenhuma informação sobre seu peso, mas certamente ele usa o mesmo motor 1.8 de 4 cilindros 2FR-FXz do Prius, que proporciona 77,2 kW (105 cv) a 5.200 rpm e 147 Nm a 4.000 rpm.

Toyota-Prius-Prime-9

Toyota-Prius-Prime-15 Toyota-Prius-Prime-14 Toyota-Prius-Prime-13 Toyota-Prius-Prime-12

Não há, também, nenhuma informação sobre quanta potência o motor elétrico fornece, mas o consumo de combustível do conjunto híbrido é de 1,96 Le/100 km, ou o equivalente a 1,96 l/100 km em um veículo de motor a combustão interna comum. Apenas com a energia de suas baterias, a Toyota diz que o Prius Prime é capaz de rodar duas vezes mais que anterior Prius Plug-in Hybrid anterior, ou mais de 36 km. Com seu tanque de combustível de 43 l cheio, ele tem uma autonomia de até 965 km.

Toyota-Prius-Prime-3

Toyota-Prius-Prime-4 Toyota-Prius-Prime-11 Toyota Prius-Prime-10 Toyota-Prius-Prime-8

A eficiência energética não é restrita ao motor, que teria uma eficiência térmica de 40%, muito abaixo da de motores elétricos, mas muito maior do que a da maioria dos motores de combustão interna. O Prius Prime também usa LED nos faróis e nas lanternas traseiras. Dentro, ele possui uma tela para o sistema multimídia de 11,6 polegadas. Não é tão grande quanto a do Tesla Model S, mas certamente é inspirada nele.

As vendas do novo Prius Prime começarão no final do terceiro trimestre deste ano nos EUA e na Europa. Ao Brasil, ele talvez nem chegue. Mas deveria.

Gustavo Henrique Ruffo

Sou jornalista automotivo desde 1998 e trabalhei para alguns dos meios, especializados ou não, mais importantes do Brasil, como Folha de S.Paulo, Jornal do Carro, a finada Oficina Mecânica, Gazeta Mercantil, WebMotors, FlatOut, Car and Driver e Quatro Rodas. Também escrevi para meios estrangeiros, como o site World Car Fans, e ganhei alguns prêmios de jornalismo, da SAE, da AEA e o IAM RoadSmart Safety Award 2017, pelo The Guild of Motoring Writers. Também sou autor do livro "O Colesterol do Trânsito", sobre maus motoristas, que pode ser comprado como ebook no Hotmart, na Amazon e como cópia física no Clube de Autores.