GM escolhe o Salão de Nova York para apresentar o novo Chevrolet Camaro ZL1 Convertible

Há uma semana, a GM anunciou que iria revelar o novo Chevrolet Camaro ZL1 no Salão de Nova York. Então não foi surpresa ver o super Camaro naquele palco. Mas o que realmente fez o entusiasmo dos fãs ultrapassar o teto foi a visão do ZL1 Convertible. Um carro sem capota para restringir experiências ao ar livre e a chance de ouvir o som do novo motor LT4 alto e claro.

Chevrolet-Camaro-ZL1-conversível-1

Não há surpresas sobre as especificações técnicas para quem já leu nosso artigo sobre o ZL1 fechado. Em vez de 339 kW (461 cv) a 6.000 rpm e 617 Nm a 4.400 rpm, o novo LT4 usa um compressor mecânico para alcançar 477 kW (649 cv, mas a GM não informa em qual rotação) e 868 Nm. As características distintivas do ZL1 Convertible, tais como peso, não foram reveladas. E não serão durante um bom tempo, já que o carro só será vendido no início de 2017. De qualquer forma, podemos ter uma vaga ideia delas.

A plataforma Alpha garante que o carro é 91 kg mais leve que o ZL1 anterior. O novo também usa um câmbio manual de 6 marchas e, para aqueles que preferem um automático em vez de um manual (em um ZL1? Sério?), a GM irá oferecer sua primeira transmissão de 10 marchas em um carro. A fabricante afirma que ela tem uma relação final de 7,39:1, que permite pequenos degraus entre as engrenagens, mantendo o LT4 sempre em seu regime de rotações ideal. Um CVT forte o suficiente para aguentar tanto torque faria o mesmo, se eles algum dia criarem um. Um carro como o ZL1 merece mais: ele merece um câmbio manual.

Chevrolet-Camaro-ZL1-conversível-3

O Camaro ZL1 tem 4,78 m de comprimento, 1,90 m de largura, 1,35 m de altura, entre-eixos de 2,81 m e toca o chão com rodas de 20 polegadas de alumínio forjado e pneus 285/30 ZR20 Goodyear Eagle F1 Supercar no eixo da frente e 305/30 ZR20 no traseiro. Os pneus foram desenvolvidos exclusivamente para a nova versão do poney car. Ele pára com a ajuda de freios Brembo: rotores dianteiros de duas peças e 390 mm, mordidos por pinças monobloco de seis pistões. A GM não informa nada sobre os freios traseiros.

Conhecido como um dos Camaro mais competentes já construídos, especialmente nas curvas, a sexta geração do Camaro não poderia ter uma versão ZL1 pior ou igual à SS no que diz respeito à dinâmica. O ZL1 também usa a suspensão Magnetic Ride e um diferencial de deslizamento eletronicamente limitado, mas especialmente ajustados para a nova potência. O ZL1 tem o Driver Mode Selector (seletor de modos de direção), Custom Launch Control (controle de arrancada, provavelmente disponível apenas no automático), Performance Traction Management (controle de tração de alta performance) e um escape com dois modos de operação.

Por fora, ele apresenta uma tomada de ar maior do que a do SS, para maior fluxo de ar, um novo capô, com elemento de fibra de carbono e um extrator de calor, um spoiler dianteiro maior, novas saias laterais, um novo aerofólio traseiro e pára-lamas dianteiros mais largos. Tudo desenvolvido ao longo de mais de 100 horas de testes em túnel de vento. O objetivo foi refrigeração e aerodinâmica mais eficientes para a pista. Por dentro, ele dispõe de bancos dianteiros Recaro, um volante revestido de veludo de fundo plano e o Chevrolet Performance Data Recorder como um opcional.

Gustavo Henrique Ruffo

Sou jornalista automotivo desde 1998 e trabalhei para alguns dos meios, especializados ou não, mais importantes do Brasil, como Folha de S.Paulo, Jornal do Carro, a finada Oficina Mecânica, Gazeta Mercantil, WebMotors, FlatOut, Car and Driver e Quatro Rodas. Também escrevi para meios estrangeiros, como o site World Car Fans, e ganhei alguns prêmios de jornalismo, da SAE, da AEA e o IAM RoadSmart Safety Award 2017, pelo The Guild of Motoring Writers. Também sou autor do livro "O Colesterol do Trânsito", sobre maus motoristas, que pode ser comprado como ebook no Hotmart, na Amazon e como cópia física no Clube de Autores.