FLAGRA! – O carro mais barato do mundo se tornará o elétrico mais barato: olha o Tata Nano EV!

Quando o Tata Nano foi revelado como o carro mais barato do mundo, em 2008, custava 100.000 rupias, equivalentes a US$ 1.500. Sua fábrica, capaz de produzir 250.000 unidades por ano, só atingiu uma produção total próxima disso em 2014, 6 anos após a apresentação do carro. A Tata precisa torná-lo mais popular. E uma das maneiras de fazer isso é transformá-lo em elétrico. Provavelmente o mais barato do mundo, como os sites RushlaneTeam-BHP conseguiram fotografar. As fotos do Team-BHP mostram claramente o plugue de recarga, colocado na parte traseira esquerda do carro, onde o motor a gasolina normalmente vai.

Tata-Nano-electric-team-bhp-1

O Tata Nano tem 3,10 m de comprimento, 1,50 m de largura, 1,65 m de altura e um entre-eixos de 2,23 m. Ele originalmente era alimentado por um motor de 2 cilindros 0.6 que entregava 28 kW (38 cv) a 5.500 rpm e 51 Nm a 3.000. Pesava só 600 kg. Mais tarde, o carro deveria ter recebido um motor diesel, mas ele nunca apareceu, provavelmente devido à NEMMP 2020 (National Electric Mobility Mission Plan, ou plano missão nacional de mobilidade elétrica). A Índia pretende ter uma frota expressiva de veículos elétricos. Em um mercado onde a maioria das vendas (70%) é de automóveis abaixo de 800.000 rúpias, ou de US$ 12.000, o novo Nano EV seria o modelo perfeito.

Um conceito pode ter antecipado as especificações

Até agora não há nenhuma palavra sobre sua potência ou peso, mas quem fotografou os protótipos disse que eles estavam muito mais arriados do que um Nano regular, uma boa indicação do peso das baterias. E a empresa já apresentou um conceito elétrico do Nano, no Salão de Genebra de 2010. Veja estas imagens feitas pelo Autoblog.nl.

Tata-nano_ev_2010-Geneva-Motor-Show-1 Tata-nano_ev_2010-Geneva-Motor-Show-Autoblog-nl-2

Também conseguimos encontrar uma foto muito interessante em um fórum: com as especificações técnicas do Nano EV. Dê uma olhada.

Tata_Nano_EV_tech-especificações

Ele tinha baterias de íons de lítio e uma autonomia de até 150 km. Suas baterias pesavam 120 kg e ele parecia muito mais interessante do que um Nano regular, com um motor de 40 kW (54 cv), 115 Nm e uma velocidade máxima de 110 km/h (105 km/h para o modelo de gasolina). Com custos operacionais muito mais baixos.

Talvez o Tata Nano se destinasse a ser um carro elétrico desde o início. Esperamos que o modelo final tenha mais do que os airbags frontais para oferecer em termos de segurança. No único crash test a que foi submetido, ele não ganhou nenhuma estrela e não foi capaz nem mesmo de atender às normas de segurança viária da ONU. Que são o mínimo do mínimo.

Gustavo Henrique Ruffo

Sou jornalista automotivo desde 1998 e trabalhei para alguns dos meios, especializados ou não, mais importantes do Brasil, como Folha de S.Paulo, Jornal do Carro, a finada Oficina Mecânica, Gazeta Mercantil, WebMotors, FlatOut, Car and Driver e Quatro Rodas. Também escrevi para meios estrangeiros, como o site World Car Fans, e ganhei alguns prêmios de jornalismo, da SAE, da AEA e o IAM RoadSmart Safety Award 2017, pelo The Guild of Motoring Writers. Também sou autor do livro "O Colesterol do Trânsito", sobre maus motoristas, que pode ser comprado como ebook no Hotmart, na Amazon e como cópia física no Clube de Autores.