Toyota Hilux falha no teste do alce após uma avaliação Teknikens Värld. Mais uma vez

Quais são as chances de acertar um alce na estrada? Ou uma vaca? Ou outro animal de grande porte? Altas o suficiente para que aconteçam muitos acidentes. Eis porque a revista sueca Teknikens Värld executa este teste regularmente. Foi por causa de um de seus ensaios que a Mercedes-Benz encheu o Classe A de 1ª geração de um monte de babás eletrônicas, mesmo que a empresa negue ter acrescentado esses equipamentos ao carro devido a esse problema. Afinal, por que não fazer um carro muito mais caro do que ele deveria ser apenas para torná-lo mais seguro? De qualquer forma, ele não foi o único carro que falhou no teste do alce. A Toyota Hilux também foi reprovada em sua 7ª geração. A 8ª geração, recentemente introduzida, também não foi capaz de tal manobra. Confira o vídeo abaixo.

A Toyota já enviou à revista sueca a seguinte resposta:

"Com base em todos os testes realizados durante o desenvolvimento, estamos confiantes de que a Toyota Hilux é um veículo seguro. Tal como entendemos, vocês executaram um teste de manobra evasiva de acordo com sua revista teste protocolos em várias picapes, incluindo a Toyota Hilux. Informaram-nos que a Toyota Hilux não superou suas expectativas. Ficamos surpresos com o resultado do teste e nós tomaremos sua avaliação muito a sério, da mesma forma séria fazemos com capacidade para manobras evasivas no desenvolvimento de nossos veículos. Hilux foi repetidamente testado de acordo com a ISO 3888 padrão para testes de manobra evasiva durante o desenvolvimento do modelo e depois passou os testes com sucesso. Vários parâmetros técnicos tem um impacto sobre o resultado de uma manobra evasiva, então nós queremos entender melhor os parâmetros exatos para seu teste.

Bengt Dalström, gerente geral
Assuntos externo/PR, Toyota Sweden AB"

Dalström refere-se a algo que o próprio vídeo apresenta. A Hilux quase vira a 37 mph, ou 59,6 km/h. Várias outras picapes passaram no teste em altas velocidades, tais como a RAM 2500 (uma picape grande) e a Ford Ranger, a 40 mph, ou 64,4 km/h, o Isuzu D-Max e a Mitsubishi L200, a 41 mph, ou 66 km/h e a Nissan Navara (Frontier) e a Volkswagen Amarok, a 42 mph, ou 67,6 km/h.

Nós seguiremos o impacto de tal falha de perto, especialmente porque outras unidades da Hilux, produzidos em outras plantas, podem não ter o mesmo comportamento perigoso. Mas e se tiverem? Esperamos que a Toyota decidiu fazer algo a respeito desta vez. Como Mercedes-Benz fez no passado.

Gustavo Henrique Ruffo

Sou jornalista automotivo desde 1998 e trabalhei para alguns dos meios, especializados ou não, mais importantes do Brasil, como Folha de S.Paulo, Jornal do Carro, a finada Oficina Mecânica, Gazeta Mercantil, WebMotors, FlatOut, Car and Driver e Quatro Rodas. Também escrevi para meios estrangeiros, como o site World Car Fans, e ganhei alguns prêmios de jornalismo, da SAE, da AEA e o IAM RoadSmart Safety Award 2017, pelo The Guild of Motoring Writers. Também sou autor do livro "O Colesterol do Trânsito", sobre maus motoristas, que pode ser comprado como ebook no Hotmart, na Amazon e como cópia física no Clube de Autores.